Por: A Tribuna
29/08/2023
14:03

Na segunda feira, 4 de setembro, a atração da sessão de cinema do Projeto Luz & Sombras é o filme “A Mulher Faz o Homem” um dos melhores trabalhos da Sétima Arte dirigido por um dos mais influentes diretores da Era de Ouro de Hollywood, Frank Capra com a atuação perfeita de James Stewart vivendo um jovem interiorano, idealista, eleito para o Senado e a sua luta para enfrentar o decepcionante mundo da política. A exibição será no Auditório da Rádio Cultura FM de Amparo, na Praça Pádua Salles – Centro, a partir das 19h30. A entrada é grátis.

Sinopse

Uma curiosa trama política leva Jefferson Smith (James Stewart), um ingênuo e idealista chefe de escoteiros do interior, a ser convidado para se tornar senador dos Estados Unidos em Washington. Com a ajuda de sua bela secretária Clarissa Saunders (Jean Arthur) ele irá conhecer e enfrentar o decepcionante mundo da política e as verdadeiras intenções por trás de sua nomeação.

A história é uma luta clássica entre o bem e o mal. Se há uma mensagem clara nos filmes de Capra é que aqueles com forte fibra moral nunca perdem a esperança. Ele gostava de criar situações totalmente desesperadoras para os personagens testarem sua integridade e recompensa a adesão inabalável aos valores morais e os princípios básicos da democracia.

Neste filme James Stewart é brilhante como o garoto idealista do interior que fica impressionado com a glória de ser eleito senador para o Congresso dos Estados Unidos. A história traz-nos um confronto entre conveniência política e princípios idealistas com a mensagem de que os verdadeiros grandes homens são aqueles que não comprometem os seus princípios para se manterem no poder. Stewart não se deixa levar pela corrupção e enfrenta um Congresso hostil prestes a derrubá-lo.

Jean Arthur é fabulosa como a assistente durona e experiente que está cansada da política de Washington, mas recebe uma nova injeção de fervor ao ouvir as nobres filosofias caseiras de Smith. O ótimo ator Claude Rains também é magistral como o senador adulterado, que vendeu sua alma à corrupção por uma chance na presidência. Ele interpreta o sentimento simultâneo de culpa e ambição com um tormento que claramente está partindo seu coração, e o poder de ambas as emoções retratadas em sua atuação torna seu personagem ao mesmo tempo repugnante e lamentável.

Corrupção na política

Como já mencionado este filme aborda a história da corrupção na política e da grandeza dos homens que lhe resistem. A mídia e a burguesia norte americana em Washington-DC se encolheram em 1939, quando Frank Capra (indicado ao Oscar de direção) lançou “A Mulher Faz o Homem” (Mr. Smith Goes to Washington). Nesta época Frank Capra já havia dirigido sucessos incríveis para o cinema como: “Dama por um dia” (1933), “Aconteceu Naquela Noite”, (1934), “O Galante Mr.Deeds (1936) , “Horizonte Perdido” (1937) , “Do Mundo Nada Se Leva” (1938) e neste ele usou seu poder para dar um tapa na cara de alguns figurões com um meio poderoso e político dos Estados Unidos. O resultado foi uma reação imediata por parte de publicações e políticos, mas aplausos da crítica e do público. Tal como acontece com a sociedade, a crítica e as massas venceram, pois o filme é uma obra-prima em todos os sentidos.

O roteiro de “A Mulher Faz o Homem” foi o vencedor do Oscar em 1940 e é muito inteligente. Capra simplesmente teve a incrível capacidade de misturar comédia, drama e caracterizações interpessoais para criar experiências cinematográficas americanas consistentemente maravilhosas.

Dificuldades enfrentadas por Capra.

Antes do filme ser lançado ao público em geral, uma grande exibição foi realizada em Washington, DC, a convite do Washington Press Club, na sala da Constituição em 16 de outubro de 1939. Mais de 4.000 pessoas compareceram, incluindo senadores, congressistas, Supremo Juízes do tribunal e grande parte da elite de Georgetown. Harry Cohn estava lá e Frank Capra e sua esposa compareceram e sentaram ao lado do senador Burton K. Wheeler, democrata de Montana (embora Montana nunca tenha sido mencionado como o estado de origem de Jefferson Smith no filme).

O senador Burton Wheeler era um dos muitos políticos que não gostaram da representação negativa da política de Washington, e deixou o teatro no meio da exibição do filme, furioso. Capra descreveu as consequências como "o pior ataque da minha vida profissional".

O filme foi proibido na Alemanha nazista, na Itália fascista e na Espanha falangista. Segundo Frank Capra o filme também foi dublado em alguns países europeus para alterar a mensagem para que ficasse em conformidade com a ideologia oficial. Na União Soviética, sob o governo de Josef Stálin o filme foi lançado para ampla distribuição em 8 de outubro de 1947.

“A Mulher Faz o Homem” foi Classificado em 5º lugar entre os 100 filmes mais inspiradores de todos os tempos pelo American Film Institute e por ser "culturalmente, historicamente ou esteticamente significativo” para a História do Cinema.

 

Ficha técnica

A Mulher Faz o Homem

Elenco: James Stewart, Jean Arthur, Claude Rains, Edward Arnold, Guy Kibbe, Thomas Mitchell, Eugene Pallette, Beulah Bondi, H.B. Warner, Harry Carey.

Roteiro: Sidney Buchman e Lewis R. Foster baseado numa história de Myles Connolly.

Música: Dimitri Tiomkin

Fotografia: Joseph Walker. Edição: Al Clark

Figurino: Robert Kalloch

Produção e Direção: Frank Capra

Um filme da Columbia Pictures de 1939 - Original em preto e branco

Gênero: Drama


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan