Por: A Tribuna
28/11/2023
11:02

O poeta Marcelo Henrique, de Amparo, foi o vencedor da 31.ª edição do Prêmio Moutonnée de Poesia, promovido pela Prefeitura da Estância Turística de Salto, através da Secretaria de Cultura daquele município, em parceria com a Academia Saltense de Letras (ASLe).

A cerimônia de premiação aconteceu na noite de 25 de novembro, sábado, na Biblioteca Municipal “Prof. Valderez Antonio Bergamo Silva”, centro de Salto/SP. Marcelo foi premiado com o poema “Elegia a Lorca”.

Essa edição do Prêmio Moutonnée contou com 2.432 trabalhos inscritos, sendo 1.296 poemas validados conforme o regulamento. Além de todos os estados brasileiros, poetas de sete países participaram do certame: Portugal (21 poetas), Moçambique, Itália, Alemanha, Argentina, Canadá e Espanha.

Consolidado como o maior prêmio de poesia do Brasil, o Prêmio Moutonnée de Poesia deste ano, 2023, teve por tema “Cresço e poetizo”, explorando, assim, as possibilidades da metapoesia.

“Agradeço à Prefeitura de Amparo, que gentilmente forneceu a condução para que eu pudesse comparecer à solenidade de premiação e, assim, representar o município de Amparo”, declarou Marcelo. O poeta esteve acompanhado do professor Alexandre Silva, vice-presidente da Academia Amparense de Letras (AAL).

A rocha Moutonnée, existente em Salto/SP, é um granito róseo com o formato arredondado, lembrando um carneiro deitado (“mouton”, em francês, significa carneiro; “moutonnée”: acarneirada); por isso, o troféu do Prêmio Moutonnée é uma escultura em formato de um carneiro. O diferencial dessa rocha singular é que as arranhaduras em sua superfície foram produzidas pelas geleiras da Era Paleozoica (há 270 milhões de anos), o que, juntamente com outras evidências geológicas, comprova cientificamente que essa região já passou por alternâncias climáticas significativas.

 

Elegia a Lorca

 

A Federico García Lorca, fuzilado

em 19-VIII-1936 por fascistas espanhóis

 

Exilada no céu, a Lua, ensanguentada,

Velava, entristecida, as noites de Granada

       E tudo à sua volta...

Era a Guerra Civil! Em pleno mês de agosto,

Da morte, o braço armado e vil era entreposto

       De rancor e revolta.

 

À sombra da ameaça esguia do martírio,

No bolso do poeta, uma caneta e um lírio

       – Armas contra o cinismo!

Um zíngaro que amava os mouros e a poesia!

Deu combate sem trégua à espúria tirania

       E à corja do fascismo!

 

Sem que sequer tivesse o choro de um amigo,

Seu corpo, fuzilado, encontrou por jazigo

       Uma beira de estrada...

Nunca se revelou nem mesmo o paradeiro

Dos despojos do poeta altivo e verdadeiro

       Que iluminou Granada!

 

Sei que Lorca, o divino, há de viver, por certo,

A cada vez que alguém disser, de peito aberto,

       “Eu cresço e poetizo!”,

Pois há de renascer no povo, em sua entranha,

Do poeta, o clamor na bandeira da Espanha

      Sempre que for preciso!


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan