Por: A Tribuna
29/10/2019
17:10

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) foi aprovada em dezembro de 2018, pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), objetivando uma orientação geral para escolas públicas e privadas no Brasil. Um documento, com diretrizes e estratégias para serem aplicadas até 2022 pelos municípios, foi elaborado como referência obrigatória para as instituições educacionais de ensino infantil e fundamental.
Dentre as exigências desse documento, há a de que redes de ensino, escolas e professores devem incluir os temas de tecnologia e computação nos currículos, desenvolvendo as habilidades digitais dos alunos.
No município de Serra Negra, a Secretaria Municipal de Educação e Cultura deu início ao projeto utilizando tablets no processo de aprendizagem dos alunos de 4 a 6 anos, desde setembro deste ano. As diretrizes foram desenvolvidas pela coordenação pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, representada pelas educadoras Adriana Camargo, Daniela Andreatti e Glaucia Felipe. “São os alunos do pré 1, pré 2 e ensino fundamental. Nas duas primeiras semanadas, deixamos eles com os equipamentos para conhecerem e se familiarizarem, pois alguns nunca tinham manuseado um tablet. Exploramos alguns jogos e eles ficaram eufóricos com a experiência”, comenta Adriana.
Em seguida, já com a colaboração dos professores de informática e coordenação pedagógica, foram instalados dois jogos educacionais, ‘Ler e Contar’ e ‘Learning Matemática Games’. Segundo Daniela, ficou acordado que aulas utilizando o tablet seriam ministradas uma vez por semana. “Ou na aula toda de português, ou meia hora para Português e meia hora para matemática. A escolha é de cada professor, de acordo com seu planejamento”, completou.  
Para cada faixa etária dos alunos, os jogos podem ser explorados diferentemente, com atividades condizentes com o aprendizado. Veja os exemplos apresentados pela coordenadora Gláucia: para o jogo ‘Ler e Contar’, crianças de 4 anos (pré 1) podem trabalhar o alfabeto, crianças de 5 anos começar a fazer a leitura de sílabas e os alunos do ensino fundamental para frases e leitura. No caso do jogo de matemática ‘Learning Games Matemática’, os alunos de 4 anos podem usar formas geométrica e cores, os do pré 2 relacionar a quantidade ao numeral e os alunos de 6 anos fazerem contas de adição e subtração. “Os jogos serão atualizados em 2020 e haverá nova análise de planejamento de conteúdo com os professores de Serra Negra”, reforça ela.
O tablets foram adquiridos em junho de 2019 pela Prefeitura, cumprindo também uma promessa de campanha do prefeito e vice. Ao todo, foram comprados 450 equipamentos. “A educação de Serra Negra é reconhecida como a quinta do estado de São Paulo, no mesmo nível das escolas particulares. Estes equipamentos são muito importantes para alcançarmos novos patamares”, comentou o Prefeito Sidney Ferraresso.
“Era um sonho da nossa administração que se tornou realidade e esperamos que possamos cada vez mais implementar a tecnologia nas salas de aula para que as crianças façam bom uso e se desenvolvam em todos os sentidos”, acrescentou a Secretária de Educação, Rita Pinton.
A importância das competências definidas pela BNCC
Sobre o assunto, as coordenadoras pedagógicas explicam que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) apresenta dois itens que trazem a tecnologia como ferramenta para o desenvolvimento de habilidades humanas.

São eles:
Competência 4: utilizar diferentes linguagens (verbal, corporal, visual, sonora e digital, incluindo aqui Libras e escrita), bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos, para produzir o entendimento mútuo.
Competência 5: Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.
“Tanto os recursos, quanto as metodologias, devem ser guiados por propósitos de aprendizagem, que são justamente os pontos trazidos pela BNCC. Afinal, a capacidade reflexiva por parte dos alunos é o que fundamenta o uso das tecnologias com coerência”, explica Adriana. Ela destaca que é importante entender que as tecnologias digitais precisam fazer parte do ensino peça de uma cultura digital que integra aparelhos, desenvolvimento, criação e comunicação na sociedade atual. “Além das habilidades socioemocionais muito debatidas, essas competências também se diferenciam dos direcionamentos atuais de ensino. Nesse sentido, as novas relações de aprendizagem por meio da tecnologia ganham espaço expressivo em duas entre dez delas: as linguagens utilizadas e o seu uso com senso crítico”, finalizou.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura