Por: Adilson Luís Zorzi
25/05/2021
15:05

Os números das estatísticas são assustadores: cerca de 8 milhões de pessoas morrem a cada ano no mundo vítimas do tabaco, sendo que parte expressiva delas, cerca de 1,2 milhão, é de não-fumantes que são expostos ao fumo de forma passiva. O Dia Mundial Sem Tabaco será celebrado no próximo dia 31 de maio em diversos países e entidades de saúde alertam, de forma especial nesta data, sobre os malefícios de fumar. 

O tabagismo é um grave problema para a saúde pública porque é responsável por inúmeras doenças pulmonares, cardiovasculares e tumores diversos. Apesar de seus malefícios já serem conhecidos, a pandemia trouxe mais preocupações. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o risco de desenvolver a Covid-19 de forma mais grave é maior para os fumantes. 

“É notável essas complicações que os fumantes têm com a Covid-19, podendo até mesmo levar a pessoa a óbito. A relação do tabaco com as doenças respiratórias já era conhecida porque ele diminui nossos mecanismos de defesa, nossas proteções das vias aéreas. A fumaça do cigarro dificulta a limpeza que nosso próprio organismo faz. Além de que o tabagismo está relacionado a muitas comorbidades, como enfisema pulmonar e bronquite crônica, que debilitam o pulmão e que aumentam o risco de doenças infecciosas. Outro fator que merece atenção é que a pessoa fumante toca toda hora o rosto, precisa tirar a máscara de proteção para fumar e, se a mão não está corretamente higienizada, aumenta o risco de contágio”, alerta a médica de família e comunidade do Núcleo de Atenção Primária à Saúde (NAPS) da Unimed Amparo, Patrícia Dias Gomes Braz. 

O uso do tabaco desenvolve diferentes formas de relacionamento com a nicotina. A dependência física, que indica que o organismo do indivíduo se adaptou ao uso continuado da nicotina, desenvolvendo sintomas de abstinência quando se deixa de fumar, a dependência psicológica, que desperta a sensação de “apoio”, bem-estar e segurança, em que cigarro ajuda a amenizar a ansiedade em momentos difíceis, de estresse e solidão, e o condicionamento, que é o desejo de fumar estimulado com algumas associações habituais como tomar café, consumir bebidas alcoólicas, após as refeições, falar ao telefone dentre outras. 

Abandonar o vício

O desejo de abandonar o vício encontra muitos obstáculos e é desafiador. Segundo dados da OMS, em todo o mundo, cerca de 780 milhões de pessoas dizem querer parar de fumar, mas apenas 30% delas têm acesso às ferramentas que podem ajudá-las a fazer isso. 

Foi um problema de saúde que deu o alerta para que João Batista Preto de Godoy visse mais claramente a necessidade de abandonar de vez o tabaco. Ainda muito jovem, começou a fumar como uma brincadeira e esporadicamente. Depois de um tempo, fumava de sete a dez cigarros por dia.  

“Antigamente, o ato de fumar ou quem fumava era bem aceito em todos os lugares e as propagandas das marcas passavam uma mensagem de sucesso, status e prazer. Com o passar do tempo isso mudou e hoje é totalmente o oposto. Sem o cigarro são inúmeros os benefícios que sinto: mais saúde, o olfato e o paladar melhoram, maior disposição no dia a dia, maior concentração nas atividades e economia para o bolso”, conta. 

Grande parte dos que desejam parar de fumar tenta sozinho, o que diminui as chances de sucesso. Quando a pessoa conta com uma equipe de saúde e participa de grupos, por exemplo, pode enfrentar com mais eficácia os sintomas de abstinência, que costumam ser bem intensos porque a nicotina, assim como outras substâncias que são inaladas, têm uma ação muito rápida no cérebro, mas que também passa muito rápido, fazendo com que o dependente queira usar com frequência e cada vez em uma quantidade maior. 

O tratamento é feito através de uma lógica da abordagem cognitiva e comportamental. Quando uma pessoa busca ajuda, a primeira coisa que é analisada é a motivação, porque a eficácia está diretamente ligada ao desejo de largar o vício. 

“É preciso construir ações concretas de como enfrentar os sintomas de abstinência, que como duram alguns minutos e passam rápido, podemos pensar em estratégias do que fazer quando essa vontade de fumar vem. Se é um tratamento em grupo, como vemos no programa Superação do NAPS, o interessante é que as pessoas se estimulam e podem trocar experiências, o que vai aumentando o arsenal de coisas que elas podem fazer e que irão ajudá-las”, aconselha a médica.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan jaigurudevashrammathura bo togel agen toto electrokwt