Por: A Tribuna (Unimed)
15/10/2020
14:10

A campanha Outubro Rosa anualmente mobiliza toda a sociedade, sendo um importante momento de conscientização para o diagnóstico precoce de cânceres de mama e de colo do útero. Entre as mulheres, o câncer de mama é o que mais causa mortalidade, sendo também o mais comum depois do câncer de pele. Em 2020, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), serão diagnosticados 66.280 mil novos casos e cerca de 17 mil óbitos. A adoção de hábitos saudáveis, informação, o autoexame e os exames de rotina são aliados fundamentais que podem reduzir em até 30% esses números.  

Apesar da campanha Outubro Rosa já ter mais de 20 anos, uma pesquisa de 2019 da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) identificou que informações distorcidas, medo do diagnóstico, dificuldades de acesso ainda são barreiras que precisam ser superadas. 

Os exames de rotina são aliados importantes para detectar precocemente a doença. O autoexame, apesar de historicamente divulgado como método de rastreamento, não pode ser a única forma de cuidado. Isto se dá porque ele não é capaz de perceber tumores com menos de 1 cm e podem dar uma falsa sensação de segurança. Ele é indicado para que a mulher conheça seu próprio corpo, sendo que o toque e a observação constantes ajudam a reconhecer que alguma coisa está diferente.  

Dados oficiais mostram que o mais comum é a mulher identificar caroços no seio casualmente, como na hora do banho ou na troca de roupa, e não necessariamente no autoexame. A orientação é que a mulher se apalpe sempre que se sentir confortável, a qualquer tempo, e fazer os exames de rotina, como a mamografia, seguindo as orientações médicas. “É necessário que as mulheres se conscientizem da importância da realização da mamografia, que precisa ser feita a partir dos 50 anos e a cada 2 anos até aos 75 anos. Algumas mulheres podem precisar começar a fazer antes e com mais frequência de acordo com fatores de risco que são avaliados individualmente”, alerta a médica cooperada da Unimed Amparo, Dra. Patrícia Dias Gomes Braz. 

Não é possível determinar uma causa única para o câncer de mama, contudo alguns fatores estão associados a maior incidência da doença. Esses fatores são ambientais e comportamentais, como obesidade e sobrepeso após a menopausa, sedentarismo, consumo de bebidas alcoólicas, primeira menstruação antes dos 12 anos de idade, não ter filhos, gravidez após os 30 anos, não amamentar, menopausa após os 55 anos e uso prolongado de pílulas anticoncepcionais e de reposição hormonal após a menopausa. O risco de desenvolver a doença aumenta com a idade, sendo mais comum em mulheres a partir dos 50 anos. “É recomendado que olhem para a rotina, coloquem metas que sejam possíveis de alcançar e aos poucos incorporarem hábitos até conseguir ter uma vida mais saudável”, aconselha Dra. Patrícia.

 Confira alguns hábitos que ajudam na prevenção: 

 - Evitar alimentos industrializados; 

- Reduzir o consumo de açúcar e sal; 

- Aumentar o consumo de água por dia (por volta de 2 litros); 

- Fazer refeições a cada 3 horas, melhorando o metabolismo do organismo e diminuindo o volume que consome por vez; 

- Fazer exercícios físicos de forma regular, como cinco vezes por semana e ao menos 30 minutos diários; 

- Valorizar o tempo de sono, que varia individualmente, mas que seja o suficiente para que se sinta descansada. 

 


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura