Por: A Tribuna
23/05/2023
10:05

A Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de Amparo, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, por meio do Departamento de Direitos Humanos e Inclusão Social, promoveu a capacitação dos professores da Rede Municipal de Ensino no estudo sobre o continente africano. A medida vai ao encontro das leis federais 10.639/2003 e 11.645/2008 que tornaram obrigatório o ensino da história e cultura africana e afro-brasileira no currículo escolar.

As capacitações estão sendo realizadas em quatro dias. Na segunda-feira, 15 de maio, professores foram sensibilizados a partir de uma aula com o professor Odair Marques da Silva. O ciclo de estudos continua nos dias 22 e 29 de maio, com o curso online “Falando de África em sala de aula: um contraste atual”, e encerrando em 12 de junho com uma roda de conversa.

As atividades propostas visam a criação de uma educação antirracista, que valorize a cultura africana e estimule um olhar propositivo sobre o continente.

A partir da capacitação, os professores estarão aptos a desenvolverem em sala de aula atividades alusivas ao Dia do Continente Africano, celebrado no dia 25 de maio, e ao Dia da Consciência Negra, em 20 de novembro. O objetivo é que este último, que culminará com o 2º Festival da Consciência Negra, encerre os estudos sobre o tema neste ano letivo.

Segundo o diretor do Departamento de Direitos Humanos e Inclusão Social, Matheus Fructuoso, medidas são amparadas no desejo manifestado no 1º Festival da Consciência Negra, em novembro do ano passado, e no Grupo de Trabalho criado para debater o assunto.

Expectativa é que, agora, professores tenham subsídios e estimulem a discussão do tema em sala de aula. Como parte complementar também haverá a distribuição de livros didáticos para todos os profissionais da educação e alunos dos quartos e quintos anos.

“A metodologia a ser aplicada em sala de aula pressupõe a valorização do continente africano e das raízes africanas, fugindo de todo e qualquer estereótipo social. E os professores estarão aptos a desenvolvê-la (estão recebendo capacitação ao longo de todo o ano). A ideia é que os alunos também apresentem trabalhos em novembro que integrarão o 2 Festival do Orgulho Negro. Esperamos com isso que o aluno estabeleça associações com a cultura negra e as comunidades negras e mesmo com o continente africano, sob a ótica da identidade e do pertencimento, sem reproduzir preconceitos e/ou estigmas. Apesar de a escravidão ser um período terrível de nossa história, ainda não socialmente superado, a população negra não está e nem pode ser resumida apenas a isso. E a África, da mesma forma, não possui apenas pobreza e animais. Conceitos assim são negativos e precisam ser contextualizados”, aponta Matheus.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan