Por: A Tribuna
13/04/2021
15:30

Na segunda-feira, dia 12 de abril, o juiz de direito Fernando Leonardi Campanella, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, aceitou o pedido de liminar solicitado pelo promotor de Justiça, Gilson Ricardo Magalhaes, do Ministério Público, e determinou a suspenção dos efeitos da Lei Municipal nº 4.155/21, proibindo que o prefeito municipal de Amparo, Carlos Alberto Martins (MDB) de andamento à realização dos serviços artísticos necessários para a criação da galeria de fotos dos ex-prefeitos do município, utilizando-se dos R$ 38 mil remanejados para o projeto. 

Em sua decisão, o Juiz questionou a urgência do projeto, a criação de uma galeria de fotos de ex-chefes do Poder Executivo Municipal, em uma época na qual sequer é possível a exposição para visitação pública, como medida para se evitar aglomerações, em decorrência dos efeitos nocivos da pandemia causada pela Covid-19. O Juiz informou que o Projeto de Lei nº 22/21, foi apresentado ao Legislativo no dia 15 de março de 2021, e votado no mesmo dia, em sessão extraordinária, sem passar pelas comissões pertinentes, o que aponta um vício legislativo de tramitação da norma orçamentária.

Foi determinado a intimação, com urgência, do prefeito municipal, responsável por gerir o montante liberado da lei orçamentária, cujos efeitos estão suspensos em decorrência da presente decisão. O não cumprimento desta decisão pode gerar multa pessoal ao prefeito equivalente ao triplo do montante liberado.

Ação Popular

O Ministério Público de Amparo, através do promotor Gilson Ricardo Magalhães, aceitou a denúncia, movida através de uma ação popular, protocolada pelos advogados Vítor Mauricio Pereira e Rafael Ernesto Garda contra a Prefeitura e Câmara Municipal da cidade de Amparo, alegando vícios na tramitação do Projeto de Lei nº 22/21, protocolado em caráter de urgência, visando a obtenção de crédito especial no valor de R$ 38 mil, para custear a contratação de serviços artísticos especializados, com o intuito de criar uma galeria de fotos com todos os ex-Prefeitos de Amparo.

Segundo o advogado Vitor Maurício Pereira, “a urgência na aprovação deste projeto, que sequer passou pelas comissões necessárias, me pareceu completamente irregular. Essa ação foi de nossa iniciativa pois estávamos sensibilizados com o momento que os artistas estão passando nessa pandemia, e a falta de justificativa plausível no PL, uma vez que, em plena pandemia, esse dinheiro poderia ser destinado para ajudar os artistas ou até mesmo no combate a pandemia”, concluiu o advogado Vitor.

Uma segunda ação popular também foi aberta pelo Coletivo Cultura de Amparo, questionando a aprovação do PL 22.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan