Por: A Tribuna
17/05/2021
15:05

O secretário da Educação, Rossieli Soares, e o epidemiologista Wanderson Oliveira, coordenador da Comissão Médica da Educação, divulgaram na sexta-feira, 7 de maio, em coletiva virtual, o 2? Boletim Epidemiológico da Educação. Os dados foram extraídos do Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para a Covid-19 (Simed), que reúne informações sobre casos registrados pelas escolas. 

“Estamos buscando sempre trabalhar com evidências, acompanhando tudo que acontece e todas as movimentações no mundo, mas também observando, obviamente, os números daqui do estado de São Paulo e para isso o trabalho da Comissão é essencial”, iniciou Rossieli. 

Entre os dias 3 de janeiro até 1 de maio de 2021, o Simed registrou nas escolas das redes estadual, municipal e privada, 28.064 notificações válidas relacionadas a casos suspeitos e confirmados de Covid-19. Destas 5.651 são casos prováveis, 6.559 casos descartados, 7.844 casos com resultado inconclusivo e 8.010 em investigação.  

Estas classificações foram adaptadas pela Comissão Médica da Educação, pois a confirmação só deve ser feita pela Secretaria de Saúde ou com laudo de exames positivos. “A partir de agora o que a gente chamava de casos confirmados passam a ser casos prováveis. Essa definição é prevista na epidemiologia e usada com regularidade, inclusive a própria OMS tem definição de casos prováveis. Então para nós da Educação essa é uma definição operacional de tal maneira que a gente garanta somente as pessoas que possuem de fato a informação de que realizaram o RT-PCR ou teste de antígeno com resultado positivo registrado no sistema”, explicou epidemiologista Wanderson Oliveira.

Em comparação, a taxa de incidência do estado de São Paulo entre as semanas epidemiológicas 1 e 17 deste ano é 3.132 casos por 100 mil habitantes. Já a taxa de incidência observada nas notificações do Simed é 98 casos por 100 mil pessoas, ou seja, 31 vezes menor do que a estadual.   

Ainda, os 39 registros com informação de óbito estão sendo investigados pelas Secretarias de Saúde e Educação para avaliação da relação dos mesmos com atividade presencial na escola durante o período de transmissão. 

Dos casos prováveis, 3.710 são registros da rede estadual ligada a Seduc, 128 da rede estadual ligada a outros órgãos, 1.764 da rede privada e 49 das redes municipais.  O preenchimento no Simed é obrigatório para as escolas de todas as redes, com exceção daquelas em que os municípios possuem conselhos próprios.   

Wanderson Oliveira explicou que para o registro ser válido dentro do Simed deve haver uma investigação do caso. Se alguém da escola apresentar dois ou mais sintomas tem que se considerar a data de início e tempo de incubação do vírus. “Precisa checar se a pessoa esteve presencial em atividades na escola [...] Se não esteve na escola nesses 14 dias (tempo para incubação do vírus) esta não é uma infecção da comunidade. Apesar da pessoa ser ligada a escola nós não queremos saber se ele teve Covid ou não, nós queremos saber se ele pegou Covid durante uma atividade presencial na escola”, afirmou.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan