Por: Jornal A Tribuna
23/12/2022
16:30

Uma das principais decisões na vida é a de começar uma família. Esse momento, muitas vezes, é tido como o ápice do amor. Independentemente de ter filhos ou não, boa parte delas adota um pet de estimação.

Infelizmente, ao longo da caminhada, muitas delas se desfazem. E aí começa a divisão de bens e guarda de filhos, quando eles existem e ainda pequenos, um novo momento de duras e importantes decisões. Mas e o pet? Como e com quem ele fica?

A advogada especialista em Direito de Família e Sucessões, Lana Carmo de Araújo Castelões, explica que, no Direito Civil, animais de estimação são classificados como bens. “Como são considerados bens, e por isso possuem valor econômico, no caso de separação de seus donos, o destino do pet será determinado com a partilha de bens”, diz Lana.

A separação da família sempre causa um impacto emocional, e isso não é diferente com os animais que, muitas vezes, acabam ficando com quem tem menos afinidade. Por isso, explica a advogada, pode-se definir visitas e partilhas de despesas.

“Pela afeição dos donos, a visitação ao animalzinho pode ser determinada, bem como a partilha de suas despesas, caso sejam coproprietários. Tudo isso pode ser definido de maneira consensual, através de um acordo de partilha”, explica Lana.

Mas a advogada alerta que “qualquer verba destinada ao pet não se trata de pensão alimentícia, mas de manutenção de um bem comum”, conclui Lana.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan