Por: Jornal A Tribuna
16/12/2022
08:30

O Plenário da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) aprovou, na segunda-feira, 12 de dezembro, o aumento de 50% no valor das emendas impositivas individuais. As emendas são recursos, dentro do orçamento estadual geral, que os parlamentares têm direito a indicar a determinadas áreas, obras e serviços, conforme a avaliação feita por eles junto à população.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 4/2022 prevê que o percentual reservado às indicações dos parlamentares passe a ser de 0,45% da receita corrente líquida do Orçamento. Atualmente, essa porcentagem é de 0,3% sobre a mesma referência. A medida deve ser promulgada pela Mesa Diretora da Alesp para passar a valer como alteração do texto constitucional do Estado e deve ter impacto já em 2023.

Como funciona

O percentual destinado a emendas impositivas é dividido entre todos os 94 deputados e deputadas. Cada representante político pode, então, indicar a sua parte a determinada área, conforme sua avaliação de necessidade. Metade desse valor precisa ir, obrigatoriamente, para a Saúde.

Todos os anos, os valores reservados às destinações feitas pelos deputados e deputadas mudam, porque têm como base o projeto orçamentário de cada exercício financeiro. Pela regra ainda vigente, para o próximo ano estão estimados cerca de R$ 7 milhões para cada parlamentar. Após ser promulgada, a mudança aprovada agora elevará a quantia individual para R$ 10,5 milhões para 2023.

Discussão e Votação

De acordo com o Regimento Interno da Casa de Leis, como se trata de uma PEC, para ser aprovada, seriam necessários três quintos dos votos dos parlamentares, ou seja, 57. A votação em primeiro turno terminou com 70 votos a favor e seis contrários. Já em segundo turno, o placar ficou em 68 a 6, respectivamente.

O deputado Ricardo Melão (Novo) foi um dos parlamentares que votaram contra a matéria. Segundo ele, a medida fere a autonomia do governo estadual. “É o Executivo que tem o corpo técnico e a competência para fazer a análise e a administração dos recursos. Quando nós falamos em emenda impositiva, nós estamos impondo uma decisão que deveria ser do Executivo”, defendeu.  

Por outro lado, o deputado Barros Munhoz (PSDB), favorável à iniciativa, argumentou que as emendas impositivas contribuem para que os mandatos tenham impacto regionalizado no Estado e representam um valor muito baixo do orçamento total. “São Paulo investiu, neste ano, R$ 27 bilhões. Para o próximo ano, estão previstos R$ 31 bilhões em investimentos. E nós estamos aqui falando em aumentar de cerca de R$ 600 milhões para R$ 900 milhões a participação dos parlamentares, apenas”, apontou.

Votaram contra os seguintes parlamentares: Sérgio Vítor (Novo), Janaína Paschoal (PRTB), Daniel José (Podemos), Heni Ozi Cukier (Podemos), Marina Helou (Rede) e Ricardo Melão. Os demais presentes foram favoráveis à matéria. (Cléber Gonçalves – Alesp)


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot