Por: A Tribuna
10/08/2021
15:08

Pesquisa Universum, realizada com 32 mil estudantes universitários em 2021, revela que para 83% dos entrevistados a modalidade de home office é mais atrativa

Estudo elaborado pela Universum, empresa de pesquisa e consultoria sobre o mercado de trabalho, com estudantes universitários no Brasil revela mudanças de perspectivas na busca por emprego. A pesquisa “Talent Research 2021” entrevistou 32 mil estudantes no período entre outubro de 2020 e maio de 2021 e traça um novo perfil do mercado de trabalho.

A pesquisa é feita anualmente para rastrear aspirações de carreira e preferência dos estudantes em quatro campos de estudos, confira abaixo as preferências.

 

Negócios / Comércio

Bancário (55%)

Consultoria de Gestão e Estratégia (37%)

Comércio eletrônico (30%)

Auditoria e contabilidade (25%)

Mídia (20%)

 Engenharia

Consultoria de TI e Engenharia (31%)

Automotivo (26%)

Construção (26%)

Engenharia Mecânica e Industrial (25%)

Energia (25%

 TI

Software e tecnologia de computador (69%)

Segurança de computador e rede (59%)

Consultoria de TI e Engenharia (56%)

Conteúdo e informação da Internet (49%)

Bancário (38%)

 Ciências Naturais

Educação (36%)

Farmacêutica e Biotecnologia (31%)

Químico (27%)

Cuidados com os animais (27%)

Pecuária e Agricultura (22%)

 

Trabalho remoto

De acordo com a pesquisa, 83% dos entrevistados afirmaram sua preferência em trabalhar a distância, na modalidade ‘home office’. A mudança de perfil, influenciada pela pandemia mundial, no entanto, ainda gera dúvidas sobre as relações de trabalho. Dos estudantes que preferem o trabalho remoto, um terço deles (33%) se diz preocupado em estar isolado dos colegas de trabalho e das possíveis perdas geradas pela falta de interação social.

A pesquisa revelou ainda que possíveis reduções de salário e o medo de ser prejudicado pelos empregadores que preferem que os funcionários trabalhem no escritório são preocupações que colocam em dúvida a possibilidade de aceitar esta nova modalidade de trabalho.

Preferências nas condições de emprego

A pesquisa perguntou aos estudantes quais as condições oferecidas pelas empresas mais importantes na hora de escolher um emprego. Boas referências para o futuro na carreira e treinamento profissional mantiveram posições de liderança na pesquisa. No entanto, programas na área de “Pessoas e Cultura” perdeu posições entre os pontos fortes na hora da busca por colocação no mercado de trabalho, enquanto a segurança de emprego vem ganhando destaque no país.

Preferências no trabalho

Outro dado revelado pela pesquisa foi a diferença entre homens e mulheres quando a pergunta foi sobre as preferências nas empresas. Estudantes do sexo feminino consideram os atributos relacionados à igualdade e inclusão mais importantes, enquanto os estudantes do sexo masculino são mais atraídos pelos atributos de desempenho, remuneração e prestígio.

Linkedin é a rede mais utilizada na busca por emprego

De acordo com a pesquisa, a rede social mais utilizada por estudantes na hora de buscar um emprego continua sendo o LinkedIn, com crescimento de 3% entre no último ano. No entanto, o Instagram foi a rede que apresentou maior crescimento percentual, saindo de 29% em 2020 e atingindo a preferência de 46% dos estudantes entrevistados este ano.

Por outro lado, sites especializados em divulgação de vagas, como o ‘infojobs’ e ‘vagas.com’ apresentaram queda nas preferências de aproximadamente 10%. Ainda, o Youtube foi a rede social que apresentou maior perda de audiência quando o assunto é procura por emprego, despencando de 27% em 2020 para 20% em 2021.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura