Por: A Tribuna
27/06/2023
13:06

A baixa umidade e as festas típicas de junho e julho configuram um cenário propício às queimadas de matas e florestas, situação agravada por aqueles que insistem em soltar balões, ainda que seja crime ambiental. Do início do ano até o dia 26 junho, foram realizadas 158 apreensões e 61 pessoas envolvidas na prática foram autuadas, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Também foram localizadas e fechadas quatro fábricas clandestinas de balões. Em todo o ano de 2022, foram apreendidos 129 balões e 257 pessoas foram autuadas.

Incêndios criminosos decorrentes da queda de balões, uso irregular do fogo em atividades agropecuárias e o vandalismo estão entre os motivos que mais causam incêndios florestais em São Paulo, segundo dados do Painel Geoestatístico dos Incêndios Florestais em Unidades de Conservação e Áreas Protegidas, publicado pela Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil).

Os balões podem causar incêndios em residências, indústrias e florestas, além de colocar em risco os aviões com passageiros. De acordo com o art. 42, da Lei Federal nº 9.605/98, fabricar, vender, transportar ou soltar balões, que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano, é um crime ambiental, com pena de detenção de um a três anos ou multa, ou ainda ambas as penas cumulativamente.

Caso seja identificada a soltura de balões, é fundamental realizar uma denúncia nos canais: Disque Denúncia, por meio do número 181, Polícia Militar Ambiental, no ligando para o 190, ou entrar em contato com o Corpo de Bombeiros, no 193.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura