Por: A Tribuna
04/08/2021
07:08

No dia 8 de maio de 1945, o Almirante Dönitz, nomeado pelo próprio Adolf Hitler seu sucessor, anunciou pelo rádio a rendição da Alemanha. Hitler havia cometido suicídio oito dias antes e nada mais havia a ser feito. Era o final de um dos maiores conflitos armados da história mundial. Ou melhor, era quase o fim.

A Segunda Guerra Mundial terminava, mas somente no continente europeu. No Pacífico, o Japão ainda resistia às investidas norte-americanas. Naquele mesmo mês, os líderes aliados reunidos na Conferência de Potsdan haviam exigido a rendição incondicional do império japonês. Tal imposição teria causado uma divisão no próprio governo japonês; enquanto uma ala aceitava a rendição, os militares teimavam em continuar na luta.

Naquela manhã de 6 de agosto de 1945, os tripulantes do avião Enola Gay só conseguiam dizer "Meu Deus, o que fizemos", depois de presenciarem a cidade de Hiroshima, no Japão, desaparecer em baixo de uma nuvem em forma de cogumelo. Era o efeito do lançamento da primeira bomba atômica americana que saiu de um avião B-29 batizado pelo seu comandante com o nome de Enola Gay, em homenagem à sua própria mãe. No dia 9, outra bomba igual seria lançada sobre a cidade de Nagasaki. Os pilotos norte-americanos haviam sido treinados durante meses para uma missão especial, a bordo de uma esquadrilha de aviões B-29. No entanto, quase ninguém sabia o que esses aviões realmente transportavam.

Morreram cerca de 100 mil pessoas em Hiroshima e 80 mil em Nagasaki. As vítimas eram civis, cidadãos comuns, já que nenhuma das duas cidades era alvo militar muito importante. O cenário histórico dessa tragédia, que permanece até hoje na memória de milhares de japoneses, era a guerra no Pacífico, entre Japão e Estados Unidos.

As bombas de Hiroshima e Nagasaki marcam o início do contexto conhecido como "guerra fria", a disputa político-ideológica e militar que dividiu o mundo entre o socialismo soviético e o capitalismo norte-americano por mais de 40 anos, até a desintegração da URSS, a reunificação da Alemanha e mais simbolicamente a queda do muro de Berlim em novembro de 1989.

Na contabilização geral dos efeitos das duas bombas, o Japão teve mais de um milhão e oitocentas mil vítimas, além de 40% das cidades arrasadas e a economia totalmente destruída; foi desmilitarizado e ocupado pelos Estados Unidos até 1951, quando as Nações Unidas (exceto a URSS e China), concluíram com ele, o Tratado de São Francisco, devolvendo sua soberania e marcando sua reconstrução integrada ao capitalismo internacional.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan jaigurudevashrammathura bo togel agen toto electrokwt