Por: Dom Luiz Gonzaga Fechio
01/03/2022
08:03

Prezado leitor e prezada leitora, paz e bem!

Independentemente da Igreja que a pessoa frequenta ou da religião que pratica e, mesmo no caso de se declarar ateia, todos sabem que praticamente em qualquer calendário consta a data do domingo da Páscoa.

Em relação à Igreja Católica, pela importância que tem essa grande festa no seu calendário, existe um tempo chamado Quaresma, que se inicia na quarta-feira logo após o Carnaval, chamado Quarta-feira de Cinzas, e se estende por seis semanas, sendo que esta última recebe o nome de Semana Santa que, justamente, culminará no domingo pascal.

Meu objetivo, aqui, não é escrever sobre o que está indicado acima, mesmo porque se trata de uma matéria diretamente relacionada a um credo específico.

Durante o período quaresmal, de modo especial, mas não restrito a ele, a Igreja propõe não apenas a nível interno, ou seja, somente para os fiéis católicos, e sim para toda a sociedade um assunto relacionado a uma questão pertinente nos tempos atuais, que merece e necessita ser considerado com uma atenção devida, diante dos sérios desafios que vivemos a nível político, econômico e social.

Trata-se de uma iniciativa chamada Campanha da Fraternidade, iniciativa esta da Igreja Católica apenas no Brasil, a partir de 1964, evidentemente com o apoio da Santa Sé, isto é, do papa. Por isso, em toda Campanha da Fraternidade (CF), desde 1970, o papa dirige uma mensagem específica aos brasileiros, por ocasião da abertura da CF, que acontece na Quarta-feira de Cinzas. Como todos os escritos do papa, essa mensagem também pode ser facilmente encontrada na internet.

É tão verdade que a CF não deveria se restringir apenas aos interesses de quem se professa católico(a), que, entre os seus objetivos permanentes, estão estes: a) despertar o espírito comunitário e cristão no povo de Deus, comprometendo, em particular, os cristãos na busca do bem comum; b) educar para a vida em fraternidade, a partir da justiça e do amor, exigência central do Evangelho.

Como você, o senhor, a senhora pode constatar, o que está escrito neste último parágrafo confirma que o assunto de que trata a CF não deveria ser do interesse somente de um credo.

Se ainda existem reticências quanto a esta minha afirmação, observe alguns temas que foram contemplados na CF: Fraternidade e fome (1985), Fraternidade e terra (1986), A fraternidade e o negro (1988), A fraternidade e a mulher (1990), A fraternidade e o mundo do trabalho (1991), Fraternidade e juventude (1992), Fraternidade e moradia (1993), A fraternidade e a política (1996), Fraternidade e os desempregados (1999), Fraternidade e pessoas idosas (2003), Fraternidade e água (2004), Fraternidade e pessoas com deficiência (2006), Fraternidade e Segurança Pública (2009), Fraternidade e Saúde Pública (2012), Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida (2017).

Como se pode perceber, são alguns exemplos de temas que chamam a nossa atenção, se estamos comprometidos com a construção de um mundo melhor.

Alguém ou alguns poderia(m) estar perguntando: por que o elenco acima considerou temas apenas a partir de 1985, se a CF iniciou-se em 1964? A resposta é simples: a CF teve três fases, ao longo da sua realização: a 1ª foi de 1964 a 1972 e tratou mais de assuntos referentes a uma renovação interna da Igreja Católica, por isso não coloquei aqui; a 2ª fase (entre 1973 e 1984) já foi uma preocupação com a realidade social do povo, denunciando o “pecado social” e promovendo a justiça; a 3ª fase (a partir de 1985) foi um tempo em que as questões abordadas estiveram e estão voltadas para situações “existenciais” do povo brasileiro, ou seja, realidades que a CF tem procurado evidenciar como situações que causam sofrimento e morte em meio ao nosso povo, nem sempre percebidas por todos.

Cada tema desenvolvido é escolhido a partir de sugestões apresentadas à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) com cerca de dois anos de antecedência, e não apenas por entidades ou organizações vinculadas à Igreja Católica, e sim, também, da sociedade civil. A partir da apresentação ou indicação dos temas, a Igreja fará um discernimento quanto à sua pertinência para o contexto atual e, feita a escolha, uma equipe de pessoas peritas ou que possuem maior conhecimento no assunto apontado, pessoas essas não necessariamente apenas pertencentes à Igreja Católica, escreverão um texto que fundamenta ou justifica a importância da referida questão no momento que estamos vivendo. Esse texto é, por isso, chamado texto-base e, como diz o próprio nome, embasa uma reflexão mais profunda que a Igreja deseja provocar na sociedade.

Por que o lançamento da CF acontece na Quaresma? Porque a Igreja faz questão de frisar que se a Quaresma é um tempo “forte” de espiritualidade, que nos encaminha à Páscoa e, como sempre se ensinou, é um período propício para atitudes de penitência, de sacrifícios, de renúncias, em vista de uma busca constante de mudança de vida, de conversão, essa dinâmica não tem sentido e eficácia se ela é entendida de um modo muito “estreito”, ou seja, conveniente à realidade de um “mundinho” muito particular, pessoal.

Não existe conversão de maneira “desencarnada”, ou seja, de um modo de concepção que prescinde do contexto social, político e econômico que vivemos. O Papa Francisco mostra isso muito bem em suas falas e escritos, naturalmente a partir do próprio ensinamento de Jesus.

Porém, o fato da CF ser lançada na Quaresma não significa que ela se limita a esse tempo. Ao contrário, o tema deve ser abordado, tanto quanto possível, em qualquer época do ano.

Bem, o que escrevi até aqui foi para chegar a este momento. Qual o assunto a ser abordado na CF deste ano? Um assunto que já foi contemplado em dois anos de CF, 1982 e 1998, mas que, pelo contexto atual, merece e necessita ser novamente trabalhado com grande seriedade: Fraternidade e educação.

A extraordinária beleza que envolve a questão e, ao mesmo tempo, a enorme problemática que ela traz a este nosso presente são uma relevante provocação sobre a qual me debruçarei numa próxima oportunidade.

Nota da Redação: Dom Luiz Gonzaga Fechio, Bispo diocesano de Amparo


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot