Por: José Renato Nalini
14/02/2022
09:02

Nicolau Maquiavel, o florentino que nasceu em 1469 e faleceu em 1527, foi um diplomata, escritor, estudioso de política e história muito citado, pouco lido e sempre mal interpretado.

Os que realmente o estudam, com propósito científico, chamam de maquiavelianos os seus pensamentos. Enquanto que “maquiavélicos” é uma perversão pejorativa de sua obra. Ele nunca teve o propósito de incitar o governante aos maus hábitos, ou a exercitar a crueldade como hobby. Isso, na verdade, eles não precisam ser ensinados. Nascem assim e se aperfeiçoam nas maldades.

O que leva os homens públicos a agir? O que justifica suas ações?

Atribui-se a Maquiavel ter afirmado coisas como “é importante a um governante ser cruel e não ser bondoso”; “aquele que mente e não é sincero alcança melhores resultados no mundo político”; “os conflitos políticos garantem a conservação dos Estados” e “armar o povo implica em segurança e não um perigo para o poder”.

Dentre as obras de Maquiavel, “A arte da guerra” é uma verdadeiramente atemporal. Ele começa por afirmar que nada é tão diferente entre si como a vida civil e a vida militar: “se alguém quer viver da carreira militar, logo muda não só o modo de vestir, mas também os costumes e os hábitos, muda a voz e no comportamento afasta-se dos usos civis, porque não crê possível vestir-se como civil aquele que quer ser expedito e pronto a qualquer violência”.

Primeiro, ele elogia o militar, que é responsável pela defesa e segurança da Pátria. Alguém muito mais próximo da morte, pois enfrenta perigos e, portanto, mais próximo de Deus. Todavia, as forças militares podem ser totalmente corrompidas, pois perderam o brio antigo e a ética tradicional. Daí surgirem “aquelas sinistras opiniões que fazem com que se odeie a milícia e se evite ter contato com aqueles que a praticam”.

Existe alguma analogia entre a proliferação de cargos civis entregues a militares nesta era? Será que as Forças Armadas, essa reserva moral do Brasil, têm ganho em reputação com esse recrutamento para cargos e funções no âmbito federal?

Soa estranho, pelo menos aos jejunos nas artes militares, que patentes superiores reverenciem patente inferior. Pode-se argumentar com a intenção do governante de ter próximo a si os melhores, os mais experientes, os mais sábios. Mas alguns episódios recentes mostram que nem sempre isso acontece. Os que ousam divergir, por mais competentes que o sejam, são defenestrados. É a praxe do governo ou mais uma perversão maquiavélica?

Nota da Redação: José Renato Nalini é reitor da Uniregisral e presidente da Academia Paulista de Letras (2021-2022).


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura