Por: José Renato Nalini
25/01/2022
14:01

O livro “O avesso da pele”, de Jeferson Tenório, é um relato honesto de criaturas concretas, que enfrentam dificuldades, mas que têm noção de sua dignidade e de suas potencialidades. Isso não impede enfrentem problemas reais, suportados de forma contínua pela raça negra.

Aquela constante de ser barrado por policiais, a espécie de temor dos que vêm se aproximar um rapazinho negro, o estranhamento quando em ambientes que não seriam os habitualmente frequentáveis, tudo isso é narrado com fidedignidade.

O que me impressionou mais, foi o relato da experiência do professor em sala do EJA – Educação de Jovens e Adultos, numa fase em que esse projeto já não atende mais os maduros que perderam a oportunidade de uma educação formal na época adequada, mas acolhem uma juventude de certa forma desnorteada. São os “nem-nem”, que não se interessam pelas aulas, que debocham do professor, que não tomam conhecimento dele em sala de aula.

A situação reflete a epopeia do magistério que vai enfrentar a crise dos “Ps”: a falência dos Pais, Professores, Padres, Pastores, ou uma patologia que enfraquece qualquer forma de autoridade.

O drama do professor é comparado com aqueles edificantes filmes americanos, tipo “Ao mestre com carinho”, do inesquecível e já pranteado Sidney Poitiers, com final feliz e súbita conversão de toda a classe.

Não é assim no Brasil de hoje. Com professores mal-amados, mal remunerados, desrespeitados, sem condições de uma atualização que pudesse fornecer instrumento pedagógico hábil à quase utópica motivação de um alunado que já se considera perdedor e fracassado.

É um retrato sem retoques de uma sala de aula de escola pública da periferia, palco do drama em que todos os personagens são igualmente vítimas. Enquanto Estado, família e sociedade não se unirem para oferecer à infância e juventude uma educação de qualidade, o Brasil não terá futuro alvissareiro. A leitura de “O avesso da pele” de Jeferson Tenório já vale por esse testemunho do professor do EJA, cujo destino, por sinal, é trágico.

Nota da redação: José Renato Nalini é Reitor da Uniregistral, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Presidente da Academia Paulista de Letras – 2021-2022.    


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan