Por: André Frota
25/08/2020
09:08

A escolha do vice-presidente nos regimes republicanos é uma decisão que envolve: a capacidade de atrair um perfil de eleitores complementar ao eleitor tradicional do presidente; a característica da coalização partidária, que a chapa presidencial está inserida; o potencial de sucessão presidencial.

A primeira variável que condiciona a escolha do vice é a força eleitoral que essa indicação estabelece para a chapa presidencial. É a primeira, porque tudo depende da vitória da dupla na disputa. No caso de Harris, o perfil que essa candidata incorpora para a campanha de Biden é notória. Mulher. Primeira possível vice-presidente. Negra. Procuradora. A dupla Biden-Harris dialoga com o eleitor branco e o eleitor negro. Com homens e mulheres. Com a versão moderada dos democratas e a versão mais progressista desse mesmo partido.

A segunda característica que influencia a escolha do vice-presidente é a característica da coalizão partidária. Em sistemas multipartidários, essa relação é percebida com mais nitidez, dado que presidente e vice pertencem a siglas partidárias distintas. No caso de sistemas bipartidários, como é o caso do norte-americano, o peso dessa escolha implica uma relação intrapartidária.  A disputa estabelecida ao longo das primárias, e que já estabelece os candidatos com maior potencial eleitoral, é um indicador que condiciona o capital eleitoral que pode ser incorporado na composição entre presidente e vice. No caso de Harris, apesar das divergências criadas com Biden durante as primárias, o capital eleitoral adquirido por essa candidata democrata, após a onda de protestos antirracistas, que convulsionaram a sociedade americana, impulsionou seu nome para a vice presidência. Senadora, negra, procuradora, democrata, mulher.

O terceiro motivo que impulsiona a escolha do vice, o potencial de sucessão presidencial, é diretamente percebido pela histórica relação entre antigos vice-presidentes, como futuros presidentes. Alguns números demonstram isso nos últimos anos. Do presente ao passado, o atual candidato Joe Biden, foi o vice do presidente Barack Obama. O vice-presidente Al Gore, perdeu por pouco, em uma disputa eleitoral acirrada com o presidente republicano George W. Bush. O pai de George W. Bush, vice de Ronald Reagan, ocupou a presidência no início dos anos 1990. Essa lista continua nos anos 1980 com Gerald Ford, antigo vice presidente de Richard Nixon, ao longo dos anos 1970. Ou seja, a vice presidência é uma porta de entrada eleitoral para a presidência.  

Em suma, a escolha de Kamala Harris para o cargo de vice-presidente dos EUA na candidatura democrata, ilustra um conjunto de elementos que influenciam o processo de escolha de vice-presidentes em regimes republicanos: a capacidade de atrair eleitores, a coesão partidária, e o potencial sucessório.

Nota da redação: André Frota é mestre em Ciência Política. Professor de Relações Internacionais e de Geociências, vinculado à Escola de Gestão Pública, Jurídica, Política e de Segurança, bem como à Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura
situs togel slot agen toto 4d togel macau slot mahjong wayz srbnews.id bandar togel online slot demo habanero situs slot pg soft wahtogel wahtogel unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto unsurtoto situs togel online situs togel online togel macau togel slot oryornoi naturalmarkeet mgjakartaselatan