Por: Ivo Carraro
15/09/2020
10:09

Como uma forma de acordo entre elas, tipo par ou ímpar, uma delas é escolhida para contar. “Um, dois, três, quatro... trinta e um. Pronto. Lá vou eu”. Assim as crianças brincam alegremente.  O “pronto, lá vou eu” é o anúncio da procura por aquelas crianças que, isoladamente, estiverem escondidas. Algumas serão encontradas por quem contou, que corre para o ponto de contagem e verbaliza em tom audível: “trinta e um do...”; “trinta e um da...”. Outras acompanham atenciosamente, do seu esconderijo, o movimento da criança que contou e, furtivamente, chegam ao ponto de contagem e as demais escutam: “trinta e um meu”. E se salva. Na hipótese de a criança que contou de 01 a 31 não encontrar as que se esconderam, como fica a brincadeira? Simplesmente ela chega ao seu final.        

O brincar das crianças, como analogia, faz pensar que o coronavírus está contando até 31. Só que ele não está brincando com as crianças. Ele é invisível e letal.

Nesse tempo de pandemia, as crianças estão escondidas em isolamento social. Não lhes é permitido sair de casa. A ansiedade, o medo, a falta de abraço dos amiguinhos da escola, poderão desencadear um estado de estresse elevado para muitas delas que as faz sofrer. Outras tantas até gostam deste tempo pois estão junto aos seus pais diuturnamente, o que não era possível no tempo anterior a Covid-19, por circunstâncias próprias.

Assim como as crianças aprenderam a usar o cinto de segurança como padrão de comportamento, essa doença as obrigou a usar máscara, lavar as mãos constantemente e utilizar álcool em gel como uma nova cultura. Isto para que fiquem escondidas, e, então, o vírus não tenha a oportunidade de gritar: “31 da ...”, cujas consequências serão imprevisíveis. Se ele não as encontrar, a pandemia chega ao seu final.

Parece que se trata de uma guerra mundial. Não somente as crianças, mas todos os humanos de todas as idades estão escondidos do coronavírus, com temor de serem encontrados e escutarem a frase provinda dele: “31 do p ... achei você”.

Semelhante a analogia do “esconde-esconde”, em afastamento social as crianças estão como num casulo, semelhante ao das borboletas, que lá sofrem uma metamorfose e, daquele lugar saem para colorir os jardins do mundo. Das suas casas, as crianças também sairão dentro da maior brevidade de tempo para colorir a realidade de todos e refazer os laços sociais. Aprender a ser humano com seus amigos e professores.

Se a máscara esconde o sorriso da criança não pode ocultar a serenidade do olhar que transmite paz e esperança para o novo tempo que lentamente surge no horizonte de todos. Na singeleza dos minúsculos dedos que formam um coração, a sublime mensagem de que o amor é a arma que vencerá esta guerra imposta pela Covid-19.

Cuidar das crianças hoje é cuidar do futuro mundo.

Que se pense nisto!

Nota da redação: Ivo Carraro é professor e psicólogo do Centro Universitário Internacional Uninter


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura