Por: Ariovaldo Izac
10/09/2019
10:09

Quando anunciaram a morte do então goleiro argentino Andrada, neste quatro de setembro, a caracterização básica foi de quem sofreu o milésimo gol de Pelé em novembro de 1969, quando atuava pelo Vasco contra aquele poderoso Santos, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, no Estádio do Maracanã. Edgard Norberto Andrada morreu em Rosário (ARG), aos 80 anos de idade.

A passagem de Andrade pelo futebol brasileiro remete à era em que se admitia goleiros de estatura mediana. Com 1,78m de altura, valia-se de elogiada colocação e elasticidade, virtudes que resultaram no apelido de 'El Gato'. Foi época em que o futebol brasileiro importava goleiros argentinos, independentemente do tamanho.

Saudoso José Poy, vindo do Rosário Central ao São Paulo em 1948, tinha 1,72m de altura, e mesmo assim manteve titularidade até 1963, quando se transformou em treinador. Igualmente torcedores palmeirenses nada tinham a reclamar de seu goleiro Valdir Joaquim de Moraes, apesar de 1,70m de altura, enquanto o mexicano Jorge Campos jogou até no selecionado de seu país, com 1,68m de altura.

A fama de goleiro argentino para saída da meta, em período que os brasileiros eram criticados nesse expediente, motivou o Santos a buscar no Racing, em 1970, o saudoso Agustin Cejas, morto em 2015, aos 70 anos de idade. Ele explorava a estatura de 1,93m para socar bola levantada contra a sua meta, e depois ainda jogou no Grêmio (RS).

Andrada também era corajoso para interceptar cruzamentos. E teve carreira estendida no Vasco até 1975, anos em que atuou com jogadores como Fidélis, Alcir, Zanata, Jorge Carvoeiro, Roberto Dinamite, Renê e Gílson Porto. Ele participou do time que conquistou o Campeonato Brasileiro de 1974, após vitória por 2 a 1 sobre o Cruzeiro, no Estádio do Maracanã.

Na sequência passou por Gama (DF) e Vitória (BA), antes de completar a carreira em clubes argentinos, por último no Renato Cesarino, aos 43 anos de idade. Foi quando o denunciaram por participação em assassinatos de dois opositores do regime militar argentino. Todavia, sem provas, acabou inocentado. Ele ainda foi preparador de goleiros. 


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura