Por: A Tribuna
25/11/2021
16:30

O Conselho Municipal de Cultura de Amparo (COMCULT) vem a público se posicionar sobre a possibilidade ou não da realização do Carnaval 2022 em nosso Município, haja vista as recentes manifestações de cidades de nosso entorno e outras regiões tratando desse assunto.

Como acolhido em nossa última reunião ordinária, realizada no dia 22 de novembro, os membros constituíram frente unânime para um posicionamento institucional contrário à realização das festividades carnavalescas nos moldes tradicionais.

Reconhecemos a importância e relevância do Carnaval de Amparo, e apoiamos a maneira como o mesmo vinha sendo desenvolvido e promovido nos últimos anos, quando o evento ganhou um ar de festividade popular, de rua, para todos os gostos e todos os públicos. Com certeza ele é hoje o maior evento municipal e um dos mais prestigiados na região que, além da “folia do momo”, soube valorizar o potencial criativo e financeiro dos setores da cultura de Amparo, trazendo turistas, visitantes e movimentando nosso comércio e os equipamentos turísticos, além de garantir a subsistência de inúmeros segmentos culturais e econômicos, entre profissionais diretos e indiretos, fazedores de arte e estabelecimentos comerciais.

No entanto, é impossível se desligar dos últimos acontecimentos, motivo que nos leva a expressar nossa preocupação com a realização de um evento que, sabidamente reúne um intenso número de pessoas e visitantes em nossa cidade, tornando quase impossível a correta aplicação das medidas sanitárias necessárias para a prevenção e enfrentamento da pandemia. Hoje os números estão caindo, graças ao ritmo e a adesão social à vacinação e ao uso obrigatório de máscaras e demais itens de proteção individual (e por conseguinte, coletiva), mas ainda não conseguimos garantir que os índices serão os mesmos futuramente, porque algumas dúvidas permanecem, mesmo com todas as pesquisas em andamento. Também pesa o fato de que, como muitos municípios já declararam que não realizarão o carnaval, pode ocorrer um deslocamento de interessados para aquelas cidades que por ventura vierem a realizá-lo, o que dificultará sobremaneira a segurança de toda a população e a prevalência de sua saúde.

Concordamos, dessa forma, com o posicionamento de alguns Prefeitos de nossa região de que, ao menos na data de hoje (que é só de onde podemos ver), não parece uma ideia razoável proceder com os festejos carnavalescos.

Somos e estamos cientes dos impactos indiretos que uma decisão como essa propõe, e por isso, sendo um colegiado misto, composto por pessoas da cultura, da sociedade civil e do Poder Público, gostaríamos de propor à esfera pública municipal que ao invés de apenas cancelar o evento, possa pensar em outras possibilidades de realização entre os meses de fevereiro e março, valendo-se deste momento para a perpetuação da identidade do carnaval amparense e para a recapitulação de sua memória e do que ele representa. Propomos que o Carnaval de Amparo possa ser repensado como forma de mobilizar toda a cadeia cultural local, realizando outras atividades que não as tradicionais, como exposições temáticas tratando do carnaval, resgatando a sua memória afetiva; e/ou a veiculação de vídeos, gravação de músicas (marchinhas); exposições fotográficas, etc., para que a data não represente um momento de tristeza e possamos nos valer dela como um registro histórico de nosso tempo presente. Estamos dispostos a ajudar na elaboração e na viabilização dessa ideia, de forma concreta e conjunta e, para tanto, nos colocamos à disposição da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e demais órgãos congêneres.

Aproveitamos também para reforçar a necessidade de que cada vez mais o escopo dos eventos municipais seja ampliado - não apenas no carnaval -, para que as festividades reúnam o maior número de manifestações culturais e artísticas e não se restrinjam apenas às mais tradicionais, priorizando, sobretudo, as da nossa cidade.

O nosso objetivo é comum! E somos mais fortes quando aliados, conscientes e resistentes. Temos certeza que passado tudo isso, poderemos ter um evento ainda mais plural, ainda mais alegre e ainda mais íntimo. Todos nós estamos precisando disso!

Reafirmamos nosso compromisso com a cultura e, em solidariedade, seguimos vigilantes pelas novas oportunidades que se descortinam. A arte brota sempre, não importa o chão.

Amparo, 23 de novembro de 2021.

Diego Luis da Silva Mozer – Presidente do COMCULT

 


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura