Por: A Tribuna
27/04/2022
11:04

A final do “Big Brother Brasil” bateu recordes de audiência e até desbancou o futebol exibido na concorrência. E a partir desta terça, dia 03, chega a vez de a Globo apostar em outro reality já consagrado, a nova edição de “No Limite”.

Neste ano, Fernando Fernandes assume o comando da atração. Reality show não é uma novidade na vida do atleta - ele teve uma participação marcante na segunda edição do “BBB” - mas comandar o “No Limite” é algo diferente, e especial, para um amante do mundo dos esportes, atleta profissional, tetracampeão de paracanoagem e amante dos esportes outdoors. Na televisão, já apresentou o quadro “Sobre Rodas” no “Esporte Espetacular” e também o “Além dos Limites”, no Canal OFF.  Toda essa experiência inspira ainda mais o novo apresentador, que fala com propriedade sobre a nova aventura. “Eu sou o próprio ‘No Limite’, é o meu estilo de vida. Sempre assisti ao programa e me imaginava participando, agora, ser o apresentador é a realização de um sonho. Este é ‘o’ projeto da minha carreira e estou feliz demais. Quero extrair o máximo de cada um dos competidores, que eles consigam superar seus próprios limites”, conta Fernando.  

Outra grande novidade é um pedido dos fãs. Agora o reality ganha mais dias de exibição, às terças e quintas, depois de “Pantanal”. E aos domingos, após o “Fantástico”, quando Ana Clara comanda o “A Eliminação”, no qual os dois participantes eliminados da semana se encontram ao vivo para rever os principais momentos de suas trajetórias no reality. “Mais um ano trabalhando nesse programa e, dessa vez, com uma missão diferente. Fico feliz demais pela equipe confiar no meu trabalho", entrega Ana. 

Os competidores são das cinco regiões do país, com diferentes idades e estilos de vida, cada qual com suas histórias e personalidades.  Além de revelar a linda locação, que será palco de muitas histórias pelas próximas semanas.

O cenário paradisíaco tem nome próprio no programa: Praia Dura. Assim que chegarem, os competidores são divididos em duas tribos e encaram uma prova que define a escolha dos acampamentos. Eles começam o jogo sem nada, somente com suas mochilas. Todo o restante deve ser conquistado: sacos de dormir, iniciador de fogo, lonas para proteger da chuva, entre outros itens básicos para sobreviverem isolados no meio da natureza.  

A cada programa, as tribos enfrentam duas provas: uma de privilégios, onde garantem alguns itens básicos para o acampamento, e outra de imunidade. Ao final, o grupo que perder o segundo desafio encara o Portal de Eliminação e todos da equipe precisam votar em um dos seus para deixar a competição. O “No Limite” é um jogo vai além da convivência. É preciso resistência física e mental para chegar até a final. 

Antes da final do “Big Brother Brasil”, foram revelados os nomes dos 24 participantes que aceitaram viver a aventura que será o reality.

 

Quem são os participantes?

 

O carioca Matheus Pires tem 30 anos e é diretor pedagógico. Ele revela o que mais lhe tira do sério: pessoas que falam muito. Adepto dos procedimentos estéticos, Matheus brinca: “Tudo meu tem nota fiscal: meu cabelo, meu peito, minha bunda”. O jovem, que é casado, entrega: "Meu marido diz que sou manipulador”. 

 

Cearense de Sobral, Shirley Golçalves atualmente vive em Brasília (DF). Ela é professora de Educação Física e tem 51 anos. "Não é toda mulher na minha idade que tem a força e a coragem que eu tenho”, diz. Apesar de estar casada há 30 anos, ela revela que não é uma pessoa muito paciente: “O mérito é todo do meu marido. A paciência é toda dele”. 

 

Diretamente de São Paulo (SP), Bruna Negreska tem 32 anos. Graduada em Educação Física, ela foi atleta de handebol por 15 anos e atualmente trabalha como personal trainer. “O esporte me trouxe disciplina, determinação, garra, competitividade”, afirma. Sobre a convivência em grupo, Bruna garante: “Quem fizer corpo mole vai ter problema comigo”. 

 

Pós-graduada em Biomedicina, Kamyla Romaniuk é de Ji-Paraná (RO) e tem 30 anos. Ela conta que conviver em grupo pode não ser tão fácil: “Cresci em uma família onde todos têm a personalidade muito forte”. O que mais a irrita? Kamyla é direta e reta: “grosseria gratuita”. 

 

Médico psiquiatra, Adriano Gannam tem 42 anos, é de São Lourenço (MG), mas atualmente mora em Volta Redonda (RJ). Ele confessa: “Me considero manipulador. Sei ser bem convincente quando quero”. Sobre os desafios do reality, ele avalia os seus pontos fortes. “Me sairia bem nas provas de lógica e resistência. Principalmente as provas de resistência mental”, conta. 

 

Natural de Salvador (BA), Guza Rezê atualmente vive em Brasília (DF). Ela tem 40 anos e trabalha como policial rodoviária federal. Chefe na corporação, ela afirma: “Liderança é incentivar os outros a melhorar. Porém, cobrando desempenho”. Guza, que é atleta e maratonista, fala sobre a sua personalidade. “Eu sou muito fofa lá dentro, dentro, dentro”, brinca. 

 

“Tudo que eu quero, eu posso. Tudo que eu posso, eu quero”, esse é o lema do pernambucano Clécio Barbosa, que é de Jaboatão, mas atualmente vive em Recife. Ele tem 44 anos, é engenheiro civil e trabalha com segurança de barragens. “Eu tenho uma liderança nata. Eu tento puxar, tento levar”, releva. 

 

A massoterapeuta Flavia Assis, de 42 anos, é de Mauá (SP), mas atualmente vive em Santo André. Ela foi jogadora de vôlei e garante que sabe lidar com situações mais tensas. “Me deram esse papel de capitã e eu tinha que mediar algumas situações conflitantes”, diz. 

 

A alagoana Andréa Nascimento tem 31 anos e é administradora. Jogadora de basquete desde os 11, ela diz como o esporte irá lhe ajudar na competição. “Vou levar os aprendizados que adquiri, essa questão da raça, de sangue nos olhos”, conta ela, que adianta: “Estou com fome e sede de jogo”. 

 

Carioca de 38 anos, Roberta Terra é gerente de trade marketing. “Pratico esportes desde os seis meses de idade, quando comecei a nadar. Nunca mais parei. Meu objetivo é estar sempre em primeiro lugar”, conta. Para o trabalho em equipe, Roberta opta pela sinceridade: “Se tiver que falar, fala na cara, pra gente trabalhar junto”. 

 

O goiano Victor Hugo de Castro é natural de Goiânia e tem 27 anos. Formado em Produção Cultural, ele trabalha como redator publicitário. “Pra ganhar o programa, vou fazer o que for necessário. Se eu tiver que mentir ou trair uma aliança, vou fazer”, confessa. Sobre as provas, Victor garante que tem força para aguentar as provas de resistência: “Acho que vou arrasar”. 

 

Verônica Kreitchmann tem 28 anos, é de Porto Alegre (RS) e trabalha como corretora de imóveis e preparadora física. Professora de futebol, ela confessa: “Sou de incentivar e sou carrasca”. Dentre as coisas que podem a tirar do sério, ela lista: cobranças, mentiras e gente preguiçosa. “Eu odeio perder. Quando eu perco, fico muito braba”, completa. 

 

Nascido em Foz do Iguaçu (PR), Rodrigo Moraes tem 45 anos e mora no Rio de Janeiro (RJ). Engenheiro de produção, ele trabalha como gerente de projetos submarinos. "Eu não tive uma vida muito saudável, mas depois do nascimento dos meus dois filhos resolvi mudar”, conta ele, que se apaixonou pela corrida. “Eu me vejo estrategista. Acredito estar preparado para esse desafio”, finaliza. 

 

Sergipano de Aracaju, Lucas Santana tem 31 anos e é doutorando em Física. Apesar da vida dedicada aos estudos, ele garante que entende, sim, de disputas e estratégias. “Eu venho do mundo acadêmico, que é um ambiente bastante competitivo”, ressalta. 

 

Leonardo Correa é de Tubarão (SC), tem 34 anos e é cirurgião-dentista. “Minha profissão me proporcionou o perfeccionismo. Eu não aceito errar”, diz. Ele conta que já se aventurou por diversos esportes e afirma: “Gosto muito de jogos de lógica e estratégia”. 

 

Ipojucan Ícaro nasceu no Rio de Janeiro (RJ), mas atualmente mora em Pequeri (MG). Ele tem 29 anos e é artista circense. Sobre a convivência, ele afirma que tenta ser uma pessoa ponderada: “Sou ariano, quente. Chuto o balde muitas vezes, mas aprendi ao longo da vida que temos que resolver as coisas com diálogo”. 

 

Paulista de Mogi das Cruzes, Tiemi Hiratsuka é farmacêutica, tem 30 anos e atualmente vive em Cotia (SP). Entre seus pontos fortes, ela destaca a paciência. “Me considero uma grande mediadora de conflitos. Sou a irmã do meio”, brinca. Sobre seus pontos fracos, ela avalia: “Talvez seja essa minha cara de boazinha”. 

 

Natural de Angra dos Reis (RJ), Charles Gama tem 29 anos, é doutorando em Políticas Públicas e trabalha como tutor de Educação. “Comecei a trabalhar cedo pra ajudar meus pais em casa, e sempre estudando”, relembra. Dentre suas habilidades, ele destaca: “Acredito muito na minha força física e na minha força intelectual”. 

 

Patrícia Tomé é de Nova Friburgo (RJ), tem 45 anos e é funcionária pública. “Sempre fui uma mulher independente e que se sente muito bem em estar solteira”, diz. Dentre as dificuldades que imagina encontrar no reality, ela avalia: “O que pode me abalar é a questão da comida”. 

 

O paulistano Vanderlei Ramiro tem 30 anos, é formado em Psicologia e dá aulas de inglês. “Eu pratico esporte desde que me entendo por gente”, conta. Sobre os desafios do jogo, ele destaca enfrentar a saudade: “Ficar longe do meu filho vai ser bem difícil”. 

 

Dayane Sena é carioca de Belford Roxo, na Baixada Fluminense, tem 26 anos e é professora. Ela avalia que é competitiva e não tem muita paciência. “Vou surpreender bastante porque eu sou uma pessoa destemida”, afirma. Mãe de uma menina, ela conta: “Ser mãe solo sempre foi um desafio muito grande”. 

 

Paranaense de Londrina, Pedro Castro tem 32 anos e é zootecnista. Dentre as habilidades que podem ajudar no jogo, ele conta que é estrategista e destaca o tempo que foi escoteiro, dos 12 aos 22 anos. 

 

Pernambucana da cidade de Ipojuca, Ninha Santiago tem 33 anos e é fotógrafa subaquática. Sobre a convivência em grupo, ela, que tem oito irmãos, afirma: “Sei fazer amigos muito fácil, mas também me arreto facinho”. Dentre suas habilidades, ela garante que é competitiva.  

 

Janaron Uhãy tem 27 anos, é de Santa Cruz Cabrália (BA) e trabalha como monitor pesqueiro e tatuador. “Eu não perco esse contato com a terra, a natureza. Eu estou com o pé no chão”, conta. Ele se considera uma pessoa corajosa e afirma: “Na minha vida, não tem nada que me abale”. 

 

Serviço:

“No Limite” terá exibição às terças e quintas, após “Pantanal”, com apresentação de Fernando Fernandes, direção de gênero de variedades de Boninho, direção artística de LP Simonetti e direção geral de Angélica Campos. O reality é mais uma parceria da Globo com a Endemol Shine Brasil, com base no “Survivor”, um formato original de sucesso. Ana Clara apresentará o “A Eliminação” aos domingos, após o “Fantástico”.  


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura