Por: A Tribuna
04/11/2019
00:00

 

St. Barth é uma das maravilhosas Ilhas do Caribe que, anualmente, recebem turistas vindos de todos os cantos do planeta.

Diferentemente das demais ilhas caribenhas, St. Barth não foi dominada pelos holandeses, espanhóis ou ingleses. A ilha foi “descoberta” pelos franceses, que, depois de algum tempo, a cederam aos suecos. Tanto é que o nome da capital, Gustavia, é uma homenagem ao antigo rei da Suécia, Gustavo III, que, por volta de 1870, resolveu conquistar as Antilhas. Um século depois, St. Barth passou novamente às mãos da França.

Gustavia é uma capital à prova de furacões, pois foi construída num nicho entre as pequenas montanhas na costa oeste de St. Barth. Para os turistas que apreciam uma boa arquitetura histórica, vale a pena dar uma caminhada pelas ruas de Gustavia. Lá podem ser apreciadas construções suecas com detalhes de época, como, por exemplo, placas antigas com os nomes originais das ruas.

As praias de St. Barth são consideradas as mais belas de todo o Caribe. Águas cristalinas e um mar totalmente calmo fazem a festa de quem pensa em descansar e apreciar a natureza. A praia mais bem localizada é a de St. Jean. Outras boas sugestões, porém um pouco mais isoladas, são as praias da Grande Saline, Toiny e Flamands. Mas, para quem gosta de aventura, a pedida é a praia de Colombier. Para chegar lá, o turista terá que caminhar durante 30 minutos por uma trilha rústica, que tem seu início no mirante de L'Oignon.

Sem visto

Por pertencer ao território francês, os brasileiros não precisam de visto para visitar St. Barth. Os turistas sempre são bem-vindos, mas os poucos mais dos sete mil habitantes da ilha não gostam de muita agitação e preferem não sacrificar o sossego de St. Barth para atrair grande número de visitantes. 

Em St Barth, todos os hotéis são de pequenas estruturas que asseguram tranquilidade e discrição a uma clientela de classe, bem diferente da maior parte das outros destinos turísticos do Caribe.

Por lá, o Sol brilha 365 dias por ano. A alta temporada acontece de novembro a março. Sendo assim, uma boa opção para viajar a St. Barth é de abril a agosto; nesse período, a ilha fica mais vazia e mais calma. Mas cuidado: entre agosto e outubro, os turistas podem ser surpreendidos por furacões.

 

height=389
Para os turistas que apreciam uma boa arquitetura histórica, vale
a pena dar uma caminhada pelas ruas de Gustavia.
Lá podem ser apreciadas construções suecas com
detalhes de época, como, por exemplo, placas
antigas com os nomes originais das ruas / GB Imagem

Se você quer descansar e relaxar, St. Barth é o destino ideal. A ilha é cercada de belas praias, e descansar à sombra dos coqueiros não tem preço.  Mas se você gosta de esportes, St. Barth também é a opção. Mergulho, pesca em alto mar, windsurf, surf e passeios de barco, jet ski, kite surf, entre outros, podem fazer a alegria do turista mais radical.

Chegando a St. Barth, não deixe de ter o endereço de onde vai se hospedar na ponta da língua. Nos restaurantes, não fale alto, não beba muito e de maneira alguma palite os dentes. Evite chegar tarde aos hotéis e nunca entre nas piscinas com bronzeador ou protetor solar. Ao dirigir, não ultrapasse os 60 Km/h e, finalmente, quando for às maravilhosas praias, não jogue bitucas de cigarros na areia e não pratique nudismo em áreas não permitidas.

Telefonia

O serviço de telefonia de St. Barth é de primeiro mundo. Os telefones possuem teclas para que o usuário possa escolher em quem língua quer ser atendido.

A gastronomia e o artesanato de St. Barth são excepcionais. Não deixe de experimentar a deliciosa lagosta, que é preparada com muito carinho pelos restaurantes locais. De aperitivo, peça o tradicional Blue Moon, um drinque típico, à base de vodca, suco de lima e licor Curaçao e açúcar.

Em St. Barth o turista encontra vinhos de boa qualidade para combinar com suas refeições diárias. Também não deixe de saborear a cozinha creole. Em St. Barth, alguns restaurantes oferecem pratos típicos, como caranguejo recheado, pudim de peixe, chuchu (christophine) com bacalhau e, é claro, os famosos bolinhos de bacalhau (accras de morue). Imperdível para quem gosta de experimentar pratos diferentes.

O artesanato local também é rico. Não deixe de pôr nas malas os belos chapéus de palha produzidos com muito estilo. St. Barth também tem muitas lojas de grife; vale a pena dar uma passadinha por lá.

 

height=357
Destaque para a praia de Flamands, um dos paraísos do Caribe.
Em St Barth, todos os hotéis são de pequenas
estruturas que asseguram tranquilidade e
discrição dos turistas / GB Imagem

A língua oficial de St. Barth é o Francês, mas nos hotéis, restaurantes e lojas, o Inglês também é falado com fluência.

Ao contrário do que se pensa, as coisas em St. Barth não são mais caras, comparando-se com as outras ilhas caribenhas.

Por todos esses motivos, quando visitar o Caribe, não deixe de conhecer a bela ilha de St. Barth.

 

height=336
Se você quer descansar e relaxar, St. Barth é o destino ideal. A ilha
é cercada de belas praias, e descansar à sombra dos
coqueiros não tem preço / GB Imagem

 

height=406
Veleiros e iates no porto de Gustavia, a capital de St. Barth.
Alugue um e navegue nas lindas e cristalinas
águas azuis deste paraíso caribenho.
Destaque para a âncora gigante. Ótimo para tirar selfies / GB Imagem

 


  Compartilhar

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail ou CPF de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura