foto de Simplicidade encantadora
Por: Antonio Carlos de Oliveira
23/09/2019
12:00

Antonio Carlos de Oliveira

Às vezes, coisas simples,comuns é que nos agradam. Por exemplo, quase diariamente, depois  de ler cobras e lagartos  sobre o Brasil em dois grandes diários, tento “matar” as palavras cruzadas. Fico alegre e feliz, quando consigo resolver as publicadas pela Folha de S. Paulo . São muito difíceis, quase indecifráveis. Atinjo a fabulosa cifra de duas vezes por  mês. Mas vale a pena. Gostaria de saber quantos leitores alcançam o brilhante objetivo de resolver diariamente o tal quebra-cabeça. Talvez cinco por cento?

Ali, naquele angu de letras e palavras, o cabra da peste tem que ter um conhecimento enciclopédico  e um vocabulário aureliano. Uma coisa simples pode ser comum, corriqueira? Muitas vezes, não. Aquelas que me encantam, por exemplo, são simples , mas não tão comuns. Gosto de exercícios físicos, leituras, caminhadas, produzir textos e pensamentos e outras atividades mais amenas. Ouvir músicas e observar  as maravilhas da natureza são, aparentemente, atividades simples e comuns, mas exigem senso de observação e  boa dose de sensibilidade. Certo dia, passando pelo Largo do Rosário, fiquei observando alguns pássaros por entre as copas das árvores. Em dado momento, quedei-me, extasiado, fitando um pássaro, saciando a sede nas águas do laguinho. Posso até jurar: nunca, em toda minha vida, vi um passarinho tão maravilhoso como aquele. De que modo descrever a preciosidade?  Tinha o dorso azul, o ventre verde, a cabeça vermelha, o bico negro. Aquele azul  era inimitável e me fez lembrar os versos do Paulinho da Viola: “Não posso repetir aquele azul, não era do céu, não era do mar...” Para descrevê-lo com arte e competência, haveria a necessidade de um ornitólogo. Da minha parte, só posso concluir que o tal passarinho não era mais colorido por verdadeira falta de espaço. De tantas  incapacidades que trago comigo, uma delas é não entender nada de pássaros e de outros tipos de ave. No  Largo do Rosário, nesta época do ano, (setembro e outubro), há quase sempre um sabiá  abrilhantando o dia com seu cantar mavioso. Isto me faz lembrar da música ‘Um ser de luz” composição de João Nogueira, Paulo Cesar Pinheiro e Mauro Duarte. Trata-se de uma justa homenagem à extraordinária cantora Clara Nunes de saudosa memória. Confesso que a primeira vez que ouvi esta música, interpretada pela famosa Alcione, meus olhos ficaram marejados. Realmente, a música popular brasileira é de uma beleza iluminada além da luz do luar e mora com as estrelas... A simplicidade pode ser deslumbrante.

Nota da redação: Antonio Carlos de Oliveira é membro da Academia Amparense de Letras


    //ultimas noticias

Assinar o Jornal



Identificação do Assinante


Digite nos campos abaixo o seu e-mail de cadatro em nosso site e sua senha de acesso.


Esqueceu o seus dados? Fale com a gente!

Assinatura