Editorial – PSDB de Amparo: com os pés em duas canoas

Passada a eleição do último dia 7 de outubro, ficou definido que haverá segundo turno. No caso do Estado de São Paulo, os eleitores terão que votar duas vezes. Primeiramente para governador, com a disputa entre João Dória (PSDB) e Márcio França (PSB) e, depois, a segunda votação será para presidente, tendo como candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).
Porém, o que chama a atenção neste segundo turno é o comportamento do PSDB amparense na disputa para o Governo do Estado de São Paulo. No primeiro turno, os tucanos de Amparo estiveram com os pés em duas canoas na disputa para o Governo do Estado e literalmente traíram o seu candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB). Sem qualquer constrangimento, os tucanos de Amparo mostraram que, para se manter no poder, vale acender uma vela para Deus e outra para o diabo, agindo conforme as conveniências do momento.
Durantes a campanha eleitoral do primeiro turno, foram muitos os tucanos amparenses que subiram ao palanque do PSB do deputado Barros Munhoz, que pedia votos para Márcio França. Também foram muitos os tucanos, que, como Pedro negou a Cristo, negaram a candidatura a presidente de Geraldo Alckmin, optando por votar em Jair Bolsonaro. Os tucanos de Amparo, do dia para a noite, ignoraram a candidatura do ex-governador, chamado por eles de amigo da cidade e que, por várias vezes, nas visitas a Amparo, foi companheiro de cafezinho num conhecido bar do centro da cidade.
Curiosamente, o PSDB de Amparo toma outro rumo neste segundo turno, principalmente na disputa para o Governo do Estado. Os mesmos tucanos que estavam no palanque do “socialista” Barros Munhoz, que apoia o socialista Márcio França, anunciam que vão votar em João Doria. Aproveitando o sentimento antiPT e antissocialista nacional, os tucanos amparenses dizem, agora, que São Paulo deve evitar o mal maior de se eleger um socialista como governador, porém eleger Barros Munhoz para a Assembleia Legislativa do Estado não representou, também, um “mal maior”? Agora, os tucanos pedem votos para João Doria, ex-prefeito de São Paulo que, durante a campanha de 2016, disse (e até assinou um documento) que não iria deixar o cargo para concorrer no pleito de 2018. Porém, Doria mentiu para os eleitores paulistanos, renunciou ao cargo e está disputando o pleito deste ano. Diante de tal situação, fica até a desconfiança de que a mentira é algo que atrairia os tucanos de Amparo.
O eleitor de Amparo deve questionar o posicionamento dos tucanos de Amparo neste segundo turno. Na eleição deste ano, o partido mostrou que faz qualquer negócio para se manter no poder. Como bem disse um deputado, numa reunião realizada em 2016 envolvendo os tucanos de Amparo e que foi gravada por um deles (o áudio, inclusive, se tornou amplamente conhecido na época), “Do jeito que eu vejo hoje a situação de Amparo, desculpa, você não vai gostar do que vou falar, mas é melhor se aliar com o diabo.”.

Comentários

comentários