“Uma Batalha no Inferno” é o filme do Projeto Luz & Sombras

O filme “Uma Batalha no Inferno” é baseado em eventos reais sobre a ofensiva alemã nas Ardenas. Essa grande produção, recheada de grandes astros do cinema, recria a épica Batalha do Bulge, que virou a maré da Segunda Guerra Mundial/Foto: Divulgação

Nesta segunda-feira, dia 8 de julho, o Projeto Luz & Sombras apresenta mais uma superprodução do Cinema, “Uma Batalha no Inferno”, que reconstitui eventos históricos ocorridos na Bélgica durante a Segunda Guerra Mundial. A exibição vai acontecer no auditório da Rádio Cultura Municipal FM, na Praça Pádua Salles, centro, de Amparo, a partir das 19h30. A entrada é livre para todo o público.
“Uma Batalha no Inferno” tem no seu elenco: Henry Fonda, Robert Shaw, Robert Ryan, Dana Andrews, George Montgomery, Ty Hardin, Pier Angeli, Barbara Werle, Charles Bronson, James MacArthur e Telly Savalas. O roteiro é de Philip Yordan, Milton Sperling e John Melson. A trilha sonora é de Benjamin Frankel. O diretor é Ken Annakin. O filme é uma produção da Warner Bros de 1965 e gênero é guerra, ação e drama.

Sinopse
No gelado inverno europeu no fim de 1944, os exércitos aliados estão prontos para invadir a Alemanha na virada do ano novo. Mas os alemães lançam sua última grande ofensiva no oeste. O plano é romper as linhas aliadas em vários pontos da região montanhosa e densamente arborizada das Ardenas, na Bélgica, e recapturar o porto de Antuérpia, rechaçando as forças aliadas e retomar posições na França. Os Aliados não podem usar sua superioridade aérea devido ao denso nevoeiro que cobre a região. A tarefa de conter o vasto avanço de tanques Tiger recai sobre pequenos grupos de soldados dos EUA que se posicionam sempre que possível na tentativa de impedir que o Exército alemão consiga recuperar todo o território francês arduamente conquistado.
O filme “Uma Batalha no Inferno” é baseado em eventos reais sobre a ofensiva alemã nas Ardenas. Esta grande produção recheada de grandes astros do Cinema recria a épica Batalha do Bulge que virou a maré da Segunda Guerra Mundial obrigando os Aliados a recuarem frente ao avanço da Divisão de Tanques da Divisão Panzers e colocou em risco todo esforço aliado desde o Dia D em 6 de junho de 1944.
Os roteiristas John Melson, Philip Yordan e Milton Sperling permaneceram fiéis aos fatos gerais da verdadeira batalha e, em seguida, preencheram a história com vários importantes personagens fictícios, e o diretor Ken Annakin usou uma combinação de heroísmo e precisão histórica para oferecer um bom filme. As sequências de ação foram muito bem feitas com o que se tinha de melhor em relação aos efeitos especiais da época (1965).
O veterano diretor Ken Annakin sabia como fazer um filme funcionar. O filme foi rodado nas vastas planícies da Espanha e, embora não se pareça em nada com o inverno brutal na floresta das Ardenas, esse cenário apresenta algumas paisagens impressionantes para as cenas de batalhas colossais. Annakin mostra tanques enfrentando uns aos outros nas planícies e nos bosques incrustados de neve e a luta corpo-a-corpo nas ruas de uma cidade belga.
Essas cenas foram preparadas com uma excelente pontuação de Ben Frankel na trilha sonora, o que só faz aumentar a tensão e o suspense. Ken Annakin frequentemente colocava sua câmera na frente de um tanque, trem ou carro em movimento para dar ao espectador uma perspectiva de “você está aí”, uma técnica com o processo de pan e scan que funcionou muito bem com a fotografia em technicolor de Jack Hildyard.
“Uma Batalha no Inferno” presta uma homenagem épica aos heróis das Ardenas ao estilo de Hollywood , emocionante e realista.Estreou em Hollywood em 16 de dezembro de 1965, o 21º aniversário da Batalha do Bulge.
O ator Telly Savalas foi premiado com o Globo de Ouro – EUA como melhor ator coadjuvante e Benjamin Frankel recebeu o Globo de Ouro pela melhor trilha sonora.
É um verdadeiro épico de Hollywood em todos os sentidos da palavra. Pode não ser historicamente preciso, mas é provavelmente um filme envolvente. Os personagens são importantes o suficiente para manter os espectadores interessados, o roteiro é bem definido e tem uma ótima direção com um sentimento coletivo e patriota.

Comentários

comentários