Perda Auditiva na Terceira Idade

A audição passa por um processo de envelhecimento natural, com o passar dos anos, recebendo o nome de presbiacusia. Nosso equilíbrio também pode ficar comprometido com o aumento da idade. Essas alterações podem se agravar somadas aos fatores ambientais e hábitos pessoais.

Os sintomas da presbiacusia tem início lento e progressivo, sendo quase imperceptível no início, primeiramente são acometidas as frequências agudas, que são os sons mais finos. À medida que a idade aumenta,  a pessoa começa a ter dificuldades de audição e principalmente compreensão da fala, muito comum os idosos relatarem que ouviram, mas não entenderam.

Existem tipos diferentes de presbiacusia, com queixas específicas, como por exemplo:

Presbiacusia Sensorial – É considerado o tipo mais comum, uma perda auditiva neurossensorial bilateral e simétrica, que começa na meia idade e com queda auditiva em sons finos, ou frequências agudas, com queixa comum de zumbido.

Presbiacusia Neural – É uma perda auditiva progressiva e rápida que deixa os idosos com grande dificuldade para entender a fala.

Presbiacusia Metabólica – É uma perda auditiva com curva plana e a manutenção da discriminação da fala. Quando os limiares auditivos ultrapassam 50 dB, a discriminação começa a cair.

A Presbiacusia quando não é diagnosticada e tratada corretamente, pode trazer muito prejuízos para os idosos. Com a perda auditiva, é comum que muitas pessoas se isolem do convívio social pela incapacidade de comunicação. O isolamento pode trazer uma série de problemas de saúde, como depressão.

É importante fazer acompanhamento audiológico periódico, com médico otorrino e também com um fonoaudiólogo. Logo que detectada a Presbiacusia, o mais indicado é o uso de Aparelho Auditivo, que ajuda na audição e preservação da compreensão de fala por mais tempo.

Comentários

comentários